A Embrapa e a Universidade de Copenhague, por meio do Laboratório Multiusuário de Química de Produtos Naturais (LMQPN), realizam nos dias 24 a 28 de Março curso de Ressonância Magnética de Sólidos e de Quimiometria aplicada à Espectroscopia na sede da Embrapa Agroindústria Tropical (Fortaleza-CE). Embora possuam diversos pontos em comum, os dois cursos também podem ser feito separadamente ao longo da semana. Foram disponibilizadas 40 vagas: 20 para empregados da Embrapa e 20 para profissionais e estudantes de outras instituições de ensino e pesquisa. A capacitação é gratuita e será ministrada em inglês, sem tradução simultânea.
A quimiometria se vale de ferramentas estatísticas, no que é conhecido como análise multivariada. Essas técnicas são empregadas quando se possui um número muito grande de dados e é preciso selecionar dentre eles qual informação é a mais relevante. As técnicas de ressonância magnética, por sua vez, permitem a utilização de um método não destrutivo, em que não há perda de amostras. “São metodologias que abordam uma forma racional de tratar um grande número de informações”, explica Edy Brito, pesquisador da Embrapa Agroindústria Tropical e coordenador do curso.
Segundo o pesquisador, a capacitação se destina a dois tipos de públicos: “Para algumas pessoas será uma introdução às técnicas utilizadas no campo da quimiometria e ao uso da ressonância magnética na pesquisa com produtos agrícolas e alimentos. Para quem já tem familiaridade sobre o assunto, é uma oportunidade de avançar no conhecimento, de estabelecer parcerias e de uso do laboratório multiusuário da Embrapa”.
Tanto a quimiometria quanto a ressonância magnética de sólidos já são recursos adotados nas pesquisas realizadas pela Embrapa. Um exemplo disso é a Rede NIR, que reúne laboratórios que utilizam a espectroscopia no infravermelho próximo para pesquisas relacionadas à agropecuária
Dois professores da Universidade de Copenhague, Asmund Rinnan e Flemming Hofmann Larsen, são os responsáveis pelo curso. A instituição dinamarquesa é referência mundial na área de pesquisas em alimentos e da Tecnologia Analítica de Processos. Além da capacitação, a estadia dos dois profissionais no país será dedicada à discussão de projetos e propostas de trabalho em conjunto com pesquisadores locais. O curso faz parte de um projeto de intercâmbio científico Brasil-Dinamarca financiado pela Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap).

Serviço
Inscrições e informações sobre hospedagem em Fortaleza podem ser obtidas pelo telefone (85) 3391.7115 ou pelo e-mail nicodemos.moreira@embrapa.br.
Para mais detalhes sobre o conteúdo programático do curso, o e-mail de contato é edy.brito@embrapa.br.

Ricardo Moura e Alice Sales (estagiária)
Embrapa Agroindústria Tropical