O Dia de Campo na TV desta semana terá como tema Salgadinho de feijão-caupi. O programa será exibido sexta-feira, 25 de julho, pelo Canal Rural (NET/SKY) a partir das 9h, com reapresentação no domingo (27), pela NBR (TV do Governo Federal, captada por cabo ou por parabólica). A produção é da Embrapa Informação Tecnológica (Brasília – DF), em parceria com a Embrapa Agroindústria Tropical (Fortaleza - CE),unidades da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
O feijão-caupi, também conhecido como feijão-de-corda, macassar, catador, gerutuba, de estrada, de praia, miúdo e fradinho, é um produto típico da culinária brasileira. Como possui um ciclo curto e baixa exigência hídrica, ele é uma boa opção para os agricultores do Nordeste. A região é responsável por 89,9% da produção nacional de feijão-caupi e por 94,3% da área colhida no País.
Os problemas começam, no entanto, depois do plantio. Além do grande desperdício observado no transporte e em sua comercialização, o feijão-caupi é de difícil armazenagem, pois é muito sensível a alterações pós-colheita. Depois de dois meses, os grãos começam a ganhar uma cor escura e demoram mais para cozinhar. Pensando nisso, uma equipe de pesquisadores da Embrapa Agroindústria Tropical realizou uma pesquisa no sentido de agregar mais valor ao produto e permitir sua comercialização em períodos de entressafra.

Um dos resultados da pesquisa, que teve a supervisão dos pesquisadores Edy Sousa de Brito e Antônio Calixto Lima, foi a criação do salgadinho frito de feijão-caupi. Produzido a partir da massa do feijão triturado, o salgado possui duas vezes mais proteínas que a batata frita, mas com apenas metade da gordura. Além disso, mesmo depois de frito, o produto mantém elevados teores de amidos e proteínas, constituindo-se uma importante fonte energética e nutricional.

Segundo Edy Brito, a inspiração para a criação do salgadinho veio do acarajé: um dos símbolos da cultura da Bahia e que também é feito com feijão-caupi. “O que fazemos é preparar uma massa com o feijão, dar a forma que desejamos e depois fritar. Ele acabou ficando parecido com a batata frita”, afirma.

O salgadinho de feijão-caupi possui duas vantagens sobre a iguaria baiana: pode ser congelado, o que aumenta muito o seu tempo de prateleira, e não necessita de nenhuma outra matéria-prima em sua fabricação, a não ser o próprio feijão.

Além desse tema principal, o Dia de Campo na TV apresenta outros assuntos nos quadros que estrearam este ano: Falando Sobre, Na Prática, Terra Saudável, Conhecendo a Embrapa, Sempre em Dia e Perguntas & Respostas.

O Dia de Campo na TV é interativo. As dúvidas do público sobre a tecnologia apresentada são respondidas, ao vivo, por especialistas. Os telespectadores podem fazer perguntas, durante o programa, pelo telefone 0800 648 1140 (ligação gratuita de telefone fixo) ou pelo endereço eletrônico diacampo@sct.embrapa.br

Como sintonizar o programa:

Antena parabólica doméstica (Banda L, Freqüência 1220 Mhz); Recepção multiaberta (Banda C, Transponder 6A2, Polarização Horizontal, Freqüência 3930 Mhz). Pelo Canal Rural – NET, SKY e parabólica (Transponder 12A2, Polarização Horizontal, Freqüência 4171 Mhz).

Para aqueles que não puderem assistir ao programa, a Embrapa Informação Tecnológica disponibiliza cópias em DVD ou VHS que podem ser adquiridas pelos telefones: (61) 3340-9999 / 3448-4236, ou pela Livraria Virtual – www.sct.embrapa.br/liv/


Mais informações:

Embrapa Agroindústria Tropical
Jornalistas: Ricardo Moura (DRT 1681CE JP) e Teresa Barroso (DRT 812CE JP)
Telefone: (85) 3391-7100
E-mails: ricardo@cnpat.embrapa.br e teresa@cnpat.embrapa.br